Escuto no silêncio que há em mim e basta. Outro tempo começou pra mim agora...

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011



Eu choro contraída, como se alguém estivesse perfurando minha alma com uma lâmina enferrujada, choro como quem implora, pare, não posso mais suportar, mas o insuportável é sempre uma medida que nunca tem limite (...) Enquanto choro, penso que se alguém me visse chorar dessa maneira me salvaria, prestaria socorro, chamaria uma ambulância.



Martha Medeiros

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Quando entrar setembro
E a boa nova andar nos campos
Quero ver brotar o perdão
Onde a gente plantou

Juntos outra vez...
Já sonhamos juntos
Semeando as canções no vento
Quero ver crescer nossa voz
No que falta sonhar...
Já choramos muito
Muitos se perderam no caminho

Mesmo assim não custa inventar
Uma nova canção
Que venha nos trazer...
Sol de primavera
Abre as janelas do meu peito
A lição sabemos de cor
Só nos resta aprender

Aprender...


Sol de Primavera
Beto Guedes

 
 


"A única maneira de liquidar o dragão 
é cortar-lhe a cabeça, 

aparar-lhe as unhas 
não serve de nada."

José Saramago

 
"Eu sou uma eterna apaixonada por palavras.
Música.
E pessoas inteiras.

Não me importa seu sobrenome, onde você nasceu, quanto carrega no bolso.
Pessoas vazias são chatas e me dão sono.
Gosto de quem mete a cara, arrisca o verso, desafia a vida...

Eu sou criança. E vou crescer assim." 


Fernanda Mello

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Foi amando que construí amores eternos,

foi amando que modifiquei meus conceitos e preconceitos, 

foi amando que colhi histórias pra contar em versos as poesias do meu coração.
Denise Portes

Sinto o vento trazendo bons fluídos, boas novas.
Por hora, passou o tempo das tempestades internas, das procuras incessantes, da busca constante para ser aceita. Estou mais perto de mim e sinto que dessa vez com mais calma
O olhar pra dentro faz milagres permanentes, ando respirando preces diárias."


Denise Portes

sexta-feira, 26 de agosto de 2011


Eu quero que todos os dias você me convença que contos de fadas não existem, só pra eu ter a certeza que você é de verdade...


Quero que esse sentimento meio novo, meio tonto e meio infantil dure por muito tempo, mesmo que repetido, sóbrio e adulto. Porque os dias e os meses sempre passam, mas eu quero continuar acreditando que dividir o sofá, o último pedaço do bolo e o travesseiro sejam a eternidade num piscar de olhos.
"Nada dura para sempre, nem as dores, nem as alegrias. 
Tudo na vida é aprendizado. 
Tudo na vida se supera." 

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

São as palavras de meu pai que me fizeram seguir...Fui adiante e cá estou eu... Agora não mais com um animalzinho, mas sim com três.  Esquecer a Jade? Jamais! Algum deles substitui-la? Nunca!!! Mas a vida continua, e no meu pobre coração tem muito amor pra esses três companheirinhos que chegaram.




Vale a pena, Filha, ter um animalzinho? Ele vai nos fazer sofrer tanto um dia! Mas vale sim a pena, porque é o animalzinho que nos ensina sobre dedicação plena, amor incondicional. É o animalzinho que desperta a parte melhor de nós, que nós mesmos nem conhecíamos.
" Você tem que me prometer que essa viagem não vai ser a toa, que vale a pena. 
Que por você vale a pena. 
Que por nós vale a pena."

quinta-feira, 18 de agosto de 2011


“Sofro por causa do meu espírito de colecionador - arqueólogo.
 Quero pôr o bonito numa caixa com chave para abrir de vez em quando e olhar…” 
 Adélia Prado

"As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela. Temos que nos bastar... 
Nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém. As pessoas não se precisam, elas se completam... 
Não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida." 
Mário Quintana  
 
Não tem esse ou aquele. Toda e qualquer pessoa que passou pelo meu caminho mostrou sua nojeira particular. Não importa se mostrou-se para seu melhor amigo, se bem que algumas vezes poderia ao seu pior inimigo. Até de um desconhecido, um olhar enviezado pode descrever essa situação patética e humana. Ando observando isso ultimamente e tentando entender os porquês. Tento entende-los e até desculpá-los pelas atitudes infantis. Será que é o estress que corroi minhas pernas cheia do roxos? Será uma raiva caseira ou uma raiva ancestral? Ser uma pessoa ruim atualmente parece estatus. Aconselho vc, leitor a não depender de absolutamente nada nem de ninguém. Ame seus pais, aliás, sua mãe. Ela sim pode dar suporte ao insuportável. Fora isso, tente colocar o resto urina abaixo, senão vai ter muita coisa com que se preocupar no futuro. Não se preocupe, não é nada demais, apenas alguns caroços cancerosos que vão te corroer como água no ferro.
Ao invés de viver bem, o ser humano faz questão do contrário. Talvez a infelicidade seja mais forte, mais intensa que a própria felicidade. Será?
 
Num programa de rádio, enquanto ia pro trabalho, ouvi num breve espaço de tempo, a voz do moderníssimo senhor Drummont, enquanto comentava que falava em seus contos e crônicas, coisas que não eram boas sobre nossa terra e o comportamento dos que nela habitam. Disse que falava com humor para que parecesse mais leve.
Hoje acordei quase muda de depressão. Depressão amiga, que nunca me deixa e sempre me cutuca, pra que eu nunca a esqueça. A que me deixa sem ação, ela, a depressão me constrange como acompanhar um aleijado. Não é por falta de amor que falo isso, é pela sobra de desamor. Esse sim, gêmeo da depressão andam juntos. Mas porque ninguém se dá conta dele? Acredito eu que pela cor camaleônica, pela sua invisibilidade, pela transparência da sua existência. Eles sempre andam juntos, mas so nos damos conta dela, a mais evidente.
Andei duvidando da depressão. Mentia e me enganava, falando da tal felicidade, nossa inimiga mortal. Essa que é mais transparente que o desamor, digo, quase invisível. Tão inimaginável que é quase inexistente, como se falássemos sobre uma hipótese.
Alguém ja viu a felicidade de perto? Certa vez achei que era um pássaro raro, que uma vez ao ano faz visita a tribo global e por tanta raridade, não procriava.
Sim senhor. Temos quer ter na boca aquele amargor do caroço de tamarindo, multiplicado por mil. Somos tão amargos e, há tanto tempo que nem sentimos o azedume. Estamos podres e em pé.
Mas olha, hoje foi melhor que ontem, mas que diazinho desgraçado o de hoje...

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. 
Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.
Clarice Lispector
Desistir? 
 Eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério.  
 É que tem mais chão nos meus olhos do que cansaço nas minhas pernas 
 mais esperança nos meus passos do que tristeza nos meus ombros 
 mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.” 
 Cora Coralina
E, mesmo assim, estarei sempre pronta pra esquecer aqueles que me levaram a um abismo.

E mais uma vez amarei. E mais uma vez direi que nunca amei tanto em toda a minha vida. ''
Ficar bem nem sempre deixa outras opções...


É estranho quando as coisas simplesmente têm de terminar . É o estágio onde todos os sentimentos já evoluíram para um nada . É o nada que você optou para parar de sentir dor . No início você briga, chora, faz drama mexicano . Então percebe que é cansativo demais manter esse jeito de levar as coisas . Acostuma-se ... Não que pare de doer, mas que cai no seu entendimento que às vezes perdemos algo e não há solução . No fim você coloca um sorriso no rosto e finge que é sincero, até que a vida o faça realmente ser . Talvez os amores eternos sejam amenos e os intensos, passageiros . É isso .

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Metade de mim é fada,
a outra metade é bruxa.

Uma escreve com sol
a outra escreve com a lua.
Uma anda pelas ruas
cantarolando baixinho,
a outra caminha de noite
dando de comer à sua sombra.
Uma é séria, 
a outra sorri;
uma voa, 
a outra é pesada.
Uma sonha dormindo,
a outra sonha acordada.

 Roseana Murray

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

“Vivo imaginando que de repente vão aparecer fadas ou gênios na minha frente para perguntar o que eu desejo.


Caio Fernando Abreu
 
 
"Construir um ser humano, um nós, é um trabalho que não dá férias nem concede descanso: haverá paredes frágeis, cálculos malfeitos, rachaduras.
Quem sabe um pedaço que vai desabar?
Mas se abrirão também janelas para a paisagem e varandas para o sol."

terça-feira, 2 de agosto de 2011

o céu está em festa...


....Porque minha guerreira foi pra lá, ficar nos braços do Pai.



Depois de 8 convulsões (cinco das quais eu presenciei) e 1 parada cardíaca, meu amor se foi. Fica uma dor, uma falta, um vazio.
Eu sei que Deus tem o melhor pra nós e este foi o melhor para Jade.
Agradeço a Ele por ter me dado a chance de ter uma cachorrinha linda, alegre, abençoada, amorosa, forte e lutadora!
E sei que Deus me dará forças para suportar e seguir em frente pois assim foi Sua vontade.


Agora Jade está lá, brincando, sem dor, sem sofrimento!

Jade só foi alegrias e é o que ficará. Somente sua alegria na minha mémoria e tudo que aprendi com este exemplo que ela foi. Ela lutou até o último segundo e antes de ir morar com Papai do céu, veio se despedir... Passar a última noite conosco, que tanto já a amávamos. 
Minha guerreira que ontem comeu duas vezes o miojo e carne que fiz....
Minha guerreirazinha que até depois de uma convulsão abanava o rabinho e pedia pra brincar.
 Hoje de manhã, quando ela pediu para subir na minha cama e se deitou no meu braço, babando muito por causa da última convulsão eu já sabia que seria a última vez que a teria ali.  Não poderia ser egoísta e insistir que ela ficasse.
Uma hora todos nós vamos.  Deus, ajuda-me a superar isto logo! Enche-me de forças! E obrigada por todas as coisas! Jamais deixarei de acreditar em Ti.







Jade
25.04.11
02.08.11
ELE me presenteou com a forma mais pura do amor, aquele que não se pede nada em troca. A mais doce e amorosa das criaturas, perfeita dentro de sua pele. Uma guerreira; descobri hoje, ao vê-la passando pelas agruras da dor e ainda assim ter a pureza do olhar  de um anjo.
Ela (ainda) tem o cristal no olhar, o mais brilhante de todos. E seu pelo? Haaaa. O mais macio dos pelos.
Ela me pegou de surpresa. Chegou na minha vida e se instalou sem pedir licença embora nem precisasse pedir, e com todos os adjetivos supracitados, armou sua estrutura no local certo do meu coraçao. Teve a precisão de um engenheiro civil. Calculou toda estrutura, sabendo exatamente onde fincar seu alicerce. Levantou paredes transparentes, do mais belo e puro vidro e levantou alto seu castelo.
Eu? Bom, nunca estive ambiguamente tão preparada e ao mesmo tempo não. Ela chegou de surpresa, justamente na hora em que eu estava sem pele tendo passado por algumas dores que provocam caroços disformes e te faz fechar-se para o mundo.
Há não!! Encontrei a companheira certa para os próximos 15 anos, o meu prolongamento...Ta dando certo!! E o que é que eu faço? Dessa vez posso acreditar que nada mais a separa de mim? Tremi ao pensar nisso. Chorei antecipadamente mas com o tempo fui acreditando que sim, seríamos para sempre uma coisa só, porque é assim que são os cães e os donos.
Mas hoje foi explodindo de emoção que, ainda mais sem pele, olhei nos seus olhos negros, expus minha alma e lhe disse adeus pedindo desculpas por não ter forças suficientes para levá-la até o fim.
Foi com muita tristeza e coragem que hoje entreguei-a convulsionando à veterinária e sugeri a eutanásia. Não consigo vê-la mais sofrendo deste jeito. Também não acho justo com os meus (meu marido, meus filhos) que vejam este sofrimento que fica maior a cada dia e parece não ter fim.
Jade, minha pequena shit-zu estará para sempre em meu (nossos)coração (ões)!

sábado, 30 de julho de 2011

"Ela perguntou como é que eu tive certeza de que aquela escolha era a mais acertada. Respondi que nunca tive, que não tenho até agora. Porque tem coisas que a gente, simplesmente, não sabe. Decidi ali na tentativa de fazer o melhor e fui. Com fé. Sim, fé e não certeza. Vontade que desse certo. Ou, de pelo menos, que não fosse motivo para me arrepender para todo o sempre. Em alguns momentos, deu certo. Noutros, me arrependi para todo o sempre. Agora, acho que me conformei e que é assim e pronto, não tem mais volta e tudo bem. Tudo bem, de um jeito ou de outro, que a vida e o tempo consertam as coisas."
Briza Mulatinho

Eu chamo de intuição. 
Que minha intuição nunca me  falhe ou me engane.
Que eu saiba entende-la em seus labirintos e manhas.
 

Para VOCÊ...

Tenho que tentar ser melhor sempre porque sei que você merece...

Eu gosto de te ouvir falar e de saber que o que você me diz é exclusivo. (...)
Pouco, porém intenso tempo de convívio me trouxe certa prioridade que eu valorizo muito. Gosto também de quando falo, porque por mais que você não entenda, me apoia. Você me dá esperanças nas minhas paixões e na vida que eu levo cabeça a dentro. Aliás, essa é a nossa maior diferença: você pensa sobre o que você vive, e eu vivo sobre o que eu penso. Somos opostos e ainda assim nos compreendemos. (...) Crescemos, sim. Mudamos o tempo todo. Mas esses 6 meses ao seu lado me fez ver que eu já nem me lembro do mundo antes de conhecer você. Jamais perderei a loucura de mulher neurótica que sou, porém meu amor é puro, enorme, infinito e um amor deste é pra sempre. Você é para sempre. Não se perca (...) (Acho que é mais fácil eu me perder né? rs). Mas se um dia isso acontecer, pode ter certeza: pararei meu mundo só pra te buscar.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

"O amor da minha vida eu encontrei, tem nome, é de carne e osso, e me ama também. Agora falta encontrar alguém com quem possa me relacionar. É que o homem da minha vida não cabe em mim e eu não caibo nele. Não basta que a gente se queira. Não basta nossos namoros, os rompimentos e a teimosia de desejar mais daquilo que não há de ser. Não presta que ele me visite pra acabar com as saudades e fuja correndo de pernas bambas e um bumbo no peito. Não importa que eu esqueça meu nome depois, nem que me perca num oco, ou que os sentimentos corram de ambos os lados, intensos e desarvorados. Não basta que haja amor para se viver um amor. Eu e ele somos as cruzadas da idade média, o Osama e o Tio Sam, o preto e o branco da apartheid, o falcão e o lobo, o Feitiço de Áquila. Seus mistérios me perturbam e minha clareza o ofusca. Tenho fascínio pelo plutão que ele habita, e ele vive intrigado por minha vênus, mas quando eu falo vem, ele entende vai. Enquanto ele avista o mar eu olho pra montanha. Quando um se sente em paz o outro quer a guerra. É preciso me traduzir a cada centímetro do caminho enquanto ele explica que eu também não entendi nada. Discordamos sobre o tempo, o tamanho das ondas, a cor da cadeira. O desacerto é de lascar, e não há cama que resista a tantas reconciliações - um dia a cama cai."

- Maitê Proença
(...) Uma mulher não perdoa uma única coisa num homem:
que ele não ame com coragem. Pode ter os maiores defeitos, atrasar-se para os compromissos, jogar futebol no sábado com os amigos, soltar gargalhada de hiena, pentear-se com franjinha, ter pêlos nas costas e no pescoço, usar palito de dente, trocar os talheres de um momento para outro. Qualquer coisa é admitida, menos que não ame com coragem.
Amar com coragem não é viver com coragem. É bem mais do que estar aí. Amar com coragem não é questão de estilo, de gosto, de opinião. Não se adquire com a família, surge de uma decisão solitária. Amar com coragem é caráter. Vem de uma obstinação que supera a lealdade. Vem de uma incompetência de ser diferente. Amar para valer, para dar torcicolo. Não encontrar uma desculpa ou um pretexto para se adaptar, para fugir, para não nadar até o começo do corpo. Não usar atenuantes como “estou confuso”. Não se diminuir com a insegurança, mas se aumentar com a insegurança. Não se retrair perante os pais. Não desmarcar um amor pela amizade. Não esquecer de comentar pelo receio de ser incompreendido. Não esquecer de repetir pela ânsia da claridade. Amar como se não houvesse tempo de amar. Amar esquisito, de lado, ainda amar. Amar atrasado, com a respiração antecipando o beijo. Amar com fúria, com o recalque de não ter sido assim antes. Amar decidido, obcecado, como quem troca de identidade e parte a um longo exílio. Amar como quem volta de um longo exílio.
(…) Amar com coragem, só isso.

quinta-feira, 28 de julho de 2011



"Eu só preciso levar a vida, eu só preciso desfocar do sonho que me deixa míope e enxergar além."
Tati Bernardi

(...) Me recordei rapidamente de todas as pessoas e coisas que perdi por ainda não estar preparada para elas, ou por ainda ter muita curiosidade de mundo e dificuldade em ser permanente...

Recordei de amigos e parentes distantes, aqueles que eu sempre deixo pra depois porque moram muito longe ou acabaram se tornando pessoas muito diferentes de mim, sempre penso “mês que vem faço contato com eles”. E se não tiver mês que vem?..."
Tati Bernardi


"Sou composta por urgências: minhas alegrias são intensas; minhas tristezas, absolutas. Me entupo de ausências, me esvazio de excessos. Eu não caibo no estreito, eu só vivo nos extremos".
O domingo tá acabando´- já é tarde - amanhã a gente começa de novo.
Eu me sinto às vezes tão frágil, queria me debruçar em alguém, em alguma coisa. Alguma segurança
Fui vivendo minha vida de maneira tão solitária,
conquistando minhas coisas tão no braço, tão sempre sem nada, que aprendi a ter uma enorme admiração por mim mesmo.
Provavelmente ninguém percebe, mas quando eu me afasto, é que eu mais preciso de companhia.
E bati, e bati outra vez, e tornei a bater, e continuei batendo sem me importar que as pessoas na rua parassem para olhar, eu quis chamá-lo, mas tinha esquecido seu nome, se é que alguma vez o soube, se é que ele o teve um dia, talvez eu tivesse febre, tudo ficara muito confuso, idéias misturadas, tremores, água de chuva e lama e conhaque no meu corpo sujo gasto exausto batendo feito louco naquela porta que não abria, era tudo um engano, eu continuava batendo e continuava chovendo sem parar, mas eu não ia mais indo por dentro da chuva, pelo meio da cidade, eu só estava parado naquela porta fazia muito tempo, depois do ponto, tão escuro agora que eu não conseguiria nunca mais encontrar o caminho de volta, nem tentar outra coisa, outra ação, outro gesto além de continuar batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo batendo nesta porta que não abre nunca.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Mais uma vez vc foi, meu amor... Foi ficar longe de mim, que tanto já lhe amo... Meu coração ficou pequenininho ao levá-la para fazer todos exames  pedidos... Um serzinho tão indefeso, tão pequeno ainda e que em tão pouco tempo já demonstra amor sem medida, lealdade sem tamanho... Tirando sangue, fazendo raio x, exame de urina. A minha dor era certamente maior que a sua.
Estou rezando e tendo muita esperança que tudo dê certo,  que tudo acabe bem e que vc volte pro seu lar, onde todos te esperam com muita saudade e dor pela sua ausência.



Para um cão,você não precisa de carrões,de grandes casas ou roupas de marca. Símbolos de status não significavam nada para ele. Um graveto já está ótimo. Um cachorro não se importa se você é rico ou pobre, inteligente ou idiota, esperto ou burro. Um cão não julga os outros por sua cor, credo ou classe, mas por quem são por dentro. Dê seu coração a ele, e ele lhe dara o dele. É realmente muito simples, mas, mesmo assim, nós humanos, tão mais sábios e sofisticados, sempre tivemos problemas para descobrir o que realmente importa ou não. De quantas pessoas você pode falar isso? Quantas pessoas fazem você se sentir raro, puro e especial? Quantas pessoas fazem você se sentir extraordinário?
Marley e eu



O amor e a morte
23/02/1997
RIO DE JANEIRO - Foi em dezembro, dez anos atrás. Mila teve nove filhotes, impossível ficar com a ninhada inteira, fiquei com aquela que me parecia a mais próxima da mãe.
Nasceu em minha casa, foi gerada em minha casa, nela viveu esses dez anos, participando de tudo, recebendo meus amigos na sala, cheirando-os e ficando ao lado deles — sabendo que, de alguma forma, devia homenageá-los por mim e por ela.
Ao contrário da mãe, que tinha alguma autonomia existencial, aquilo que eu chamava de "fumos fidalgos", como o Dom Casmurro, Titi era um prolongamento, o dia e a noite, o sol e todas as estrelas, o universo dela centrava-se em acompanhar, resumia-se em estar perto.
Quando Mila foi embora, há dois anos, ela compreendeu que ficara mais importante — e, se isso fosse possível, mais amada. Escoou com sabedoria a dor e o pranto, a ausência e a tristeza, e se já era atenta aos movimentos mais insignificantes da casa, com o tempo tornou-se um pedaço significante da vida em geral e do meu mundo em particular.
Vida e mundo que deverão, agora, continuar sem ela — se é que posso chamar de continuação o que tenho pela frente. Perdi alguns amigos, recentemente, mas foram perdas coletivas que doeram, mas, de certa forma, são compensadas pela repartição do prejuízo.
Perder Titi é um "resto de terra arrancado" de mim mesmo — e estou citando pela segunda vez Machado de Assis, que criou um cão com o nome do dono (Quincas Borba) e sabia como ninguém que dono e cão são uma coisa só.
Essa "coisa só" fica mais só, nem por isso fica mais forte, como queria Ibsen. Fica apenas mais sozinho mesmo, sem ter aquele olhar que vai fundo na gente e adivinha até a alegria e a tristeza que sentimos sem compreender. Sem Titi, é mais fácil aceitar que a morte seja tão poderosa, desde que seja bem menos poderosa do que o amor.


Ultimamente não estou esperando coisas boas,
e nem ruins, de nada e nem de ninguém. Por mim, tanto faz, cansei de criar falsas expectativas.

terça-feira, 26 de julho de 2011

MUDE


Se eu não mudasse, afundaria junto com as circunstâncias. Era preciso portanto que eu sumisse dali, que abandonasse tudo o que me envolvia. Tudo: o pai, a mãe, os irmãos, a família, os amigos, o dentista, o professor. O time, o futebol, as namoradas, minha vó, meus espetos de picanha. Eu tinha que abandonar tudo, inclusive minhas idéias, especialmente as preconcebidas. Os cobertores azuis, a pátria, a religião, e até mesmo meu querido cavalo Estrela. Eu tinha que abandonar tudo. Meus lençóis de cetim, meu quarto, minha cama, meus livros, meu baralho, meus recortes de jornal. Eu tinha que abandonar tudo — antes que chegasse o desespero. Eu precisava me desligar do passado, urgentemente. Então, como não tinha presente, enfiei meu radinho de pilha num saco de pão, enchi meu peito de futuro e de coragem, de alegria e de relâmpagos — e mergulhei de cabeça na incerta e gloriosa correnteza da vida. Nas águas revoltas do coração do mundo.

Deu certo.

http://youtu.be/1JBjYowe-k8

quinta-feira, 21 de julho de 2011

No canto da foto, é você o homem mais lindo do mundo.


Meu Deus, como você é lindo. Não existe não morrer um pouco quando você chega.

Para Jade, e todos os outros amores de quatro patas que tive nesta vida!

"Eles me ensinaram o significado da lealdade, e a nunca esquecer aqueles que amamos."


Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.




O verdadeiro amor nunca se desgasta. Quanto mais se dá mais se tem.


"Aqueles que nos amam nunca nos deixam de verdade."

Quem tem um amigo, mesmo que um só, não importa onde se encontre, jamais sofrerá de solidão; poderá morrer de saudades, mas não estará só.

A amizade duplica as alegrias e divide as tristezas.

Cada novo amigo que ganhamos no decorrer da vida aperfeiçoa-nos e enriquece-nos, não tanto pelo que nos dá, mas pelo que nos revela de nós mesmos.


.
Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos.






Num mundo que se faz deserto, temos sede de encontrar um amigo.





Era pouco maior do que minha mão: por isso eu precisei das duas para segurá-la, 13 anos atrás. E, como eu não tinha muito jeito, encostei-a ao peito para que ela não caísse, simples apoio nessa primeira vez. Gostei desse calor e acredito que ela também. Dias depois, quando abriu os olhinhos, olhou-me fundamente: escolheu-me para dono. Pior: me aceitou.
Foram 13 anos de chamego e encanto. Dormimos muitas noites juntos, a patinha dela em cima do meu ombro. Tinha medo de vento. O que fazer contra o vento?
Amá-la — foi a resposta e também acredito que ela entendeu isso. Formamos, ela e eu, uma dupla dinâmica contra as ciladas que se armam.

E também contra aqueles que não aceitam os que se amam. Quando meu pai morreu, ela se chegou, solidária, encostou sua cabeça em meus joelhos, não exigiu a minha festa, não queria disputar espaço, ser maior do que a minha tristeza.
.

Tendo-a ao meu lado, eu perdi o medo do mundo e do vento. E ela teve uma ninhada de nove filhotes, escolhi uma de suas filhinhas e nossa dupla ficou mais dupla porque passamos a ser três.
E passeávamos pela Lagoa, com a idade ela adquiriu "fumos fidalgos'; como o Dom Casmurro, de Machado de Assis. Era uma lady, uma rainha de Sabá numa liteira inundada de sol e transportada por súditos imaginários.
No sábado, olhando-me nos olhos, com seus olhinhos cor de mel, bonita como nunca, mais que amada de todas, deixou que eu a beijasse chorando. Talvez ela tenha compreendido. Bem maior do que minha mão, bem maior do que o meu peito, levei-a até o fim.
Eu me considerava um profissional decente. Até semana passada, houvesse o que houvesse, procurava cumprir o dever dentro de minhas limitações. Não foi possível chegar ao gabinete onde, quietinha, deitada a meus pés, esperava que eu acabasse a crônica para ficar com ela.Até o último momento, olhou para mim, me escolhendo e me aceitando. Levei-a, em meus braços, apoiada em meu peito. Apertei-a com força, sabendo que ela seria maior do que a saudade.
Mila
Carlos Heitor Cony

O texto acima foi publicado no jornal "Folha de São Paulo" , edição de 04-06-1995, e faz parte do livro "Figuras do Brasil – 80 autores em 80 anos de Folha", Publifolhas – São Paulo, 2001, pág. 318, organização de Arthur Nestrowski.