Escuto no silêncio que há em mim e basta. Outro tempo começou pra mim agora...

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Meu ser

Sou dramática, intensa, transitória e tenho uma alegria em mim que quase me deixa exausta. Eu sei sorrir com os olhos e gargalhar com o corpo todo. Eu sei chorar toda encolhida abraçando as pernas. - Por isso não me venha com meios-termos, com mais ou menos ou qualquer coisa. Venha a mim com corpo, alma, visceras e falta de ar.

Clarice Lispector

..

Dói e não passa com sopro...


"A gente precisa é de fé. E de pessoas. Porque eu me sinto meio vazia de pessoas, pessoas dessas que fazem festa na gente, que fazem a alma bater palmas. Pessoas que entendam esse meu jeito de não fazer muito alarde, de chegar sem espantar as borboletas. Eu tenho uma joaninha no dedo indicador e essa sensibilidade ardendo nos ombros desde muito tempo..."
Uma vontade de sair correndo...
Quase um desespero , eu diria!

Já aprendi que não se julga sentimento
mas esse carece prisão perpétua...

Se a gente pede bem alto Deus atende e o coração escuta?
E se a gente chora e desiste?

Eu queria desistir, juro que queria...
Mudar de nome, forma e status.

Mas o que eu queria mesmo, no fundo e no raso, era dar conta.

Maira Regina
Que eu tenha sempre comigo: Colo de mãe.
Abraço apertado. Riso de graça. Brilho no olho.
Amor quentinho. Tristeza que passa. Força nos ombros.
Criança por perto. Astral bonito. Prece nos lábios.
Saudade mansinha. Fé no futuro. Delicadeza nos gestos.
Conversa que cura. Cotidiano enfeitado.
Firmeza nos passos. Sonhos que salvam.
Começo a duvidar que entenda as minhas delicadezas.
É poesia baby!

É jeito bonito de eternizar e de acariciar, mesmo distante.
Não tenho medo de parecer cafona, mas de confirmar a minha desconfiança por sua sensibilidade.
Seria você uma propaganda enganosa ou eu que te pintei colorido demais?


(Mel de Melão)

Tudo fica mais claro e seu amor me abraça mais seguro.

Acontecem no tempo certo : o pedido, o olhar, a proteção e a escolha.

Benditos os acasos que fizeram com que nos encontrássemos e bendita a construção dessa caminhada.


A gente batalha tanto pra perder a inocência e finalmente enxergar as coisas com clareza, que nos permitimos endurecer durante o caminho para finalmente alcançarmos este estado. Nem tudo que a gente conserva de puro merece ser abandonado. Assim como os anos não anulam o que já foi vivido, a maturidade não anula o que já foi sonhado!

Fernanda Gaona
"Acho que a única razão de sermos tão apegados em memórias, é que elas não mudam, mesmo que as pessoas tenham mudado." 
Eu queria encontrar um jeito bonito pra falar de algumas lembranças sem me aborrecer... E queria encontrar um jeito mais bonito ainda pra esquecer outras sem me sentir levada.


maira regina 
 


"Eu não posso parar. Não posso parar. Não posso parar. Não posso parar. Não posso parar. Se eu parar vou dar ouvidos a mim."

(Tati Bernardi)
“o problema é que quero muitas coisas simples,

então pareço exigente...”

Fernanda Young

"
É estúpido, eu sei, mas peço por um grande amor todas as noites. E que meu grande amor me diga: você não se enganou, eu estou aqui. E rodeie-me, num abraço que dure em mim o dia todo, porque sinto muita falta de acolhimento.


Procuro alguém que queira receber a minha liberdade, sem tomá-la. Que saiba cuidar desse “vão” bonito que deve haver entre as pessoas, e que tenha a medida da canção do Cazuza, porque “eu quero a sorte de um amor tranquilo...”.


Quero um amor barroco.

Com os excessos que já nem lembro.

É estúpido, eu sei, mas quero um amor que não me deixe partir nunca mais..."

Achei no Blog: http://elzinha-semalgemas.blogspot.com/2011/07/eucaliptos-na-janela.html
 
 
'Talvez eu não seja adulta o suficiente 
para brincar tão longe do meu pátio,
do meu quarto, das minhas bonecas.'


Me levaram embora umas seguranças que eu apertava firme na mão pra não perder jamais
E tive que crescer num instante.

Me sopraram umas folhas secas anunciando que aquilo que eu insistia em recordar tava antigo demais pro hoje
E eu fiz remendos em 27 centímetros de alma.

Me fizeram perceber a linha tênue que separava o humano do plástico
E eu compreendi que faltava grau na minha lente de aumento.

Me disseram que dali pra frente não haveria rascunhos pra amparar minha história
E eu inventei um novo jeito de escrever.

E embora eu não saiba exatamente em quais dos bolsos guardei minhas indecisões e em que momento precisarei ampanhá-las, percebo que o outro que me chega em palavras, nada mais me provocará além de um ou dois espirros.


Maira Regina



Eu não sei se estou sofrendo de paciência curta ou intolerância comprida.
Se as invasões estão maiores que a porta ou se a abertura encolheu provocando essa sensação de desagrado. O que sei e bem disse Tati Bernadi  é que"(...) cansei de morrer na vida das pessoas, resolvi matar também!".
Amanhã passa, mas não posso deixar de descrever hoje essa sensação de amargo na boca. Argh!

Maira Regina