Escuto no silêncio que há em mim e basta. Outro tempo começou pra mim agora...

Eu


Ela é em mim o que eu não digo, as palavras que não ouso.Espada de Samurai, brutalidade doce, dedos que deslizam entre meus cabelos, escrevendo poesias.Olhos que questionam e que gostam quando questionados. Ela é o azul em mim. E o amarelo. E sua voz é dessas para se ouvir de olhos fechados. Mulher de reticências, nunca um ponto. Ela continua sempre.E continua em mim, mesmo quando distante. E se me calo, perto dela, é porque ela é o que há de grande em mim, o que não se explica , o que basta ser.